Catelhano ou espanhol?

Pergunta que mais ouço dos meus alunos: estamos aprendendo espanhol ou castelhano?

De acordo com o Diccionario Panhispanico de Dudas (DPD):

Para designar la lengua común de España y de muchas naciones de América, y que también se habla como propia en otras partes del mundo, son válidos los términos castellano y español. La polémica sobre cuál de estas denominaciones resulta más apropiada está hoy superada.

Superada? Será mesmo? Bom, lembro que quando comecei a estudar essa língua, costumava ir a uma médica argentina, e, toda empolgada, falei: “Doutora, estou estudando espanhol, logo, logo, estarei me comunicando contigo na sua língua!”. Pra quê?! A criatura fechou a cara e falou: “¡NO! No estás estudiando español, ¡sino CAS-TE-LLA-NO!

Não entendi nada e resolvi ficar na minha. Alguns anos depois comecei a trabalhar com tradução, e uma espanhola, madrilenha, me perguntou que línguas eu traduzia e respondi: “Espanhol e inglês.” E ela rebateu: “¿Español o castellano? Porque si hablas español, tienes que hablar con el acento de España.” Lascou-se… Tive muito contato com espanhóis, argentinos, peruanos, bolivianos, etc. E com cada um aprendi um pouquinho e aprimorei meus estudos. Qual é o meu sotaque?! É o de uma estrangeira falando espanhol, ué! Se bem que depende do momento. Acho que assumo algumas personalidades quando estou falando outra língua. (rs) E por que cargas d’água ficam com essa fixação de “castelhano ou espanhol”?

Sim, eu já sabia que isso ocorria e o porquê, mas não tinha ideia da extensão! Aqui no Brasil não existem cursos de castelhano, só de espanhol. Acho que é mais fácil descobrir qual é o idioma em questão. Por isso, falo de língua espanhola no blog. Se falo “castelhano”, quem não sabe da história por trás dos bastidores pensa que é outra língua. Já houve pessoas que me perguntaram: “Então na Espanha se fala espanhol, catalão, basco, valenciano E castelhano?”. Ou então: “Na Espanha se fala espanhol e na América Latina, castelhano; mas qual é a diferença? Eles conseguem se entender?”.  Para evitar esse tipo de confusão entre os alunos brasileiros, optou-se pelo uso do termo mais conhecido, mas deixo aqui o esclarecimento de toda essa situação. 😍 Não esquecendo que ele é conhecido assim internacionalmente: Spanish, spagnolo, espagnol, Spanisch, e por aí vai.

Aqui, falamos português, que veio de Portugal. O francês veio da França. Inglês, Inglaterra. Russo, Rússia. Alemão, Alemanha. Logo, espanhol, Espanha. Certo? Bom, é aí que está o problema.

Embora as palavras castellano e español sejam consideradas sinônimas, como já comentado acima, há quem considere o termo espanhol ofensivo e se recuse a usá-lo. Por quê? Vamos lá! Senta aí, pois essa é uma história muuuito antiga. Calma! Vou tentar resumir…

Era uma vez um reino da Idade Média chamado Castela (Castilla). Este reino, cujo rei era Juan II 🤴, com o apoio de outros dois reinos cristãos, Navarra e Aragão, lutava contra o decadente poderio árabe. Com tais alianças um país começou a ser consolidado, começando a formar o que hoje conhecemos como Espanha. Sendo que naquela época usava-se o termo Hispania para aquele território.

O rei Juan II faleceu em 1454, havendo alguns anos de conflitos pela coroa. 👸 Isabel, uma das filhas, tinha apenas 3 anos quando o rei morreu. Aos 17 anos, ela decidiu se casar e escolheu, dentre três pretendentes, Fernando de Aragão, juntando forças e unificando, assim, os dois reinos. O latim culto só era utilizado pelos eclesiásticos e pela gente letrada, surgindo diferentes dialetos. O idioma falado em Castela era o castelhano, o qual acabou se tornando o idioma oficial do novo país, já que foi a língua que alcançou maior extensão.

Em 1492, a colonização da Espanha em algumas nações do outro lado do mundo consolidou a unificação espanhola como nação. E assim, o espanhol chegou à América Latina, tendo Cristóvão Colombo chamado os reis Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela (também conhecidos como Reis Católicos) de “Rey y reina de las Españas” em seu diário de bordo. 👸🤴

Porque, cristianísimos y muy altos y muy excelentes y muy poderosos príncipes, Rey y Reina de las Españas y de las islas de la mar, Nuestros Señores, este presente año de 1492 […].

E, bom, a colonização espanhola, assim como a portuguesa, diga-se de passagem, não foi nenhum mar de flores. Foi bem agressiva, para falar a verdade. Escravidão, pilhagem, povos dizimados (Maias, Incas, Astecas), etc. O termo “espanhol” é um dedo na ferida, trazendo à memória tudo o que aconteceu naquele período terrível, sendo “castelhano” o termo usado na maioria dos países latino-americanos. Entretanto, há alguns que falam “espanhol”, mas agora eu não saberia precisar quais. Se alguém aí quiser se manifestar…

Além disso, também rola um mal-estar dentro da própria Espanha, tendo em vista que há outras quatro línguas cooficiais (catalão, valenciano, galego e basco). Então há o seguinte pensamento: se essas línguas são faladas em províncias espanholas e são consideradas cooficiais, sendo, portando, também línguas espanholas, ou seja, da Espanha; por que o castelhano é considerado sinônimo de espanhol, excluindo-se, assim, a nacionalidade das outras quatro?! Pois é, sacaram a situação?

Cf.: Qual é o idioma falado na Espanha?


Que tal aprender de uma maneira divertida?
Curta! Comente! Compartilhe esta ideia!

Opções não faltam! Siga-nos aqui:

google+_button facebook_button twitter_button tumb_button linkedin_button pinterest_button instragram

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s